terça-feira, 16 de agosto de 2016

Meus traços são vulgares



Marcus Vinicius Batista

Sou um traço de comportamento. A cada síndrome, transtorno ou doença, posso me identificar. A cada nova pílula de milagre colorido a brilhar no balcão, evito me drogar dentro da lei e das expectativas alheias.

A cada diagnóstico de novo nome, escapo pela porta da normalidade.

Estar cansado me livra do stress. Quando desconcentrado, driblo o Transtorno de Déficit de Atenção. A desorganização cotidiana não me apresenta a Hiperatividade.

A melancolia de uma frustração ou ausência não me impõe um protocolo Depressivo. Os medos há que se temer, e não transformá-los em fobias.

Se a vida me dá euforia após um passado recente de derrota, adio a visita da Bipolaridade. Diante de preocupações que se repetem porque a rotina se faz presente, não consigo reconhecer a chegada do Neurótico.

Se me sinto seguro com os rituais que nos desenham filhos da cultura, sou incapaz de cruzar com as manias. Quando ouço minha imaginação e dialogo com minha criatividade, concedo férias permanentes para a Esquizofrenia.

Se espero por algo ou alguém, dou voz à paciência, que não fala em crise de Ansiedade, trabalha com expectativas.

Na encruzilhada que deixa de ser horizonte e se monta em pé à minha frente, adormeço o Pânico pelo caminhar que anestesia quaisquer paralisias.

Se vasculho a memória para metamorfosear informação em conhecimento, dispenso Aspenger e suspendo o recrutamento do Autismo.

Quando a mesma memória se torna volúvel, embaça, vai e talvez demore a voltar, esqueço todos os rastros fotográficos do médico alemão e seu Mal descoberto.

Cultivo meus traços, que se respeitam, mas evitam se confraternizar como quadro clínico.

Traços não flertam com pílulas. Traços nos estigmatizam como normais, tão vulgares quanto únicos.

Nenhum comentário: