quinta-feira, 28 de abril de 2016

Negociando com o indiano (Crônicas além do quintal # 1)



Marcus Vinicius Batista

As passadas lentas viraram inércia diante da loja de casacos. Eu e Bel paramos para ver os casacos de couro, estilo motociclista. Em Londres, a manhã era ensolarada, mas sabíamos que anoitecia por volta das 16 horas, e a temperatura caia a menos de cinco graus em certas noites. Já tinha um casaco e poderia usar o clima como desculpa; como souvenir.

O passeio por Notting Hill se justificava porque conheceria a livraria onde Julia Roberts e Hugh Grant gravaram o filme “Um lugar chamado Notting Hill”. A livraria se transformou em loja de lembrancinhas e outras quinquilharias, um rascunho do cenário cinematográfico. O bairro de origem negra recebeu artistas a partir dos anos 70 até virar um endereço de novos ricos, repleto de comércio para turistas e lojas de grifes.

Apontei para um casaco com dois emblemas de motos. Desconfiei porque vi outros modelos iguais. Pensei: “deve ser de origem chinesa, produção em série a la 25 de março.” O vacilo entre olhar as roupas e pensar sobre elas permitiu que o dono da loja se aproximasse. Não havia como evitar o contato visual, regra de ouro para escapar da abordagem.

O dono da loja era um sujeito na casa dos 70 anos, calvo, com uma barba branca e traços faciais típicos de um indiano. Vestia-se como um lorde de terno, gravata e meio fraque. Os sapatos brilhavam à luz do sol. A conversa começou em inglês e os braços dele sinalizavam para que entrássemos como presas na toca. O truque de dialogar em português não funcionou diante da insistência.

Dentro da loja, ele me mediu de cima a baixo e pediu para um funcionário trazer o casaco. Ouvindo nossa conversa, perguntou: “Venezuelanos?” Disse que éramos brasileiros e ouvi na sequência: “Obrigado, de nada.”

Enquanto o funcionário tirava o casaco de um saco plástico, o indiano já retirava minha jaqueta. Colocou o casaco nas minhas costas, puxou meu braço e olhou para mim. Bel apenas sorria. A conversa seguia em inglês. Eu expliquei que a roupa ficou apertada e ele pediu um número maior, que serviu bem. Aí começou a negociação.

O indiano olhou de cima a baixo e foi firme: “200.” Na hora, quebrei outra regra, que pode ser resumida na frase “quem converte não se diverte.” Inevitável pensar que, com a libra a R$ 6, o casaco custaria R$ 1200. Resolvi usar a desculpa básica, geralmente eficaz no Brasil. “Vamos dar uma volta e passamos aqui mais tarde.”

O indiano chamou o funcionário outra vez, que trouxe a calculadora. Ele digitou 90 libras e apontou para mim. Bel apenas sorria, enquanto eu pensava como era abusivo o preço original. De 200 para 90 libras. Reforcei a desculpa do passeio e fiz o movimento de sair da loja.

O homem de terno segurou meu braço esquerdo e digitou na calculadora: 80 libras. Olhei para Bel e ela sorriu novamente. Comecei a pensar na hipótese da compra, mas o casaco ainda estava caro. Balancei a cabeça negativamente, falei que voltaríamos mais tarde e vi o indiano mexer na calculadora. 70 libras.

Olhei para Bel e falei em português: “se cair para 50 libras, eu levo.” Virei-me para o indiano, que parecia impaciente e insistia na venda, desta vez tentando fazer com que eu segurasse o casaco. Repeti o mantra da voltinha e ele, a dança de empurrar a roupa.

Pressionado, observei que Bel tentava sair de fininho. Mudei a tática e falei: “I will think about it!” O indiano se enfureceu, deu o casaco nas mãos do funcionário e me disse: “se soubesse que você iria pensar, não tinha te oferecido o casaco.”

Antes que ele se aproximasse outra vez, percebi o espaço livre e sai da loja. Ao notar que não haveria venda, o indiano mudou de feição. A cara fechada voltou a ser sorriso, e ele insistiu, em tom mais baixo, que o casaco poderia ser meu por 70 libras.

Lá fora, falei para Bel: “Quase, por 50 eu levava”. Passeamos pelo bairro e a lembrança foi um caderno para anotações. Ganhei dela também uma carteira de couro, presente que incluiu a gravação das iniciais do meu nome.

À tarde, em Camden Town, hoje o bairro dos artistas, entramos numa loja. Dezenas de casacos de couro, idênticos aos da loja do indiano, estavam pendurados à direita. Não aguentei a curiosidade e perguntei ao vendedor.

“Quanto?”

“70 libras.”

“Qualquer um?”

“Qualquer um!”

Minha jaqueta, definitivamente, vai aguentar o tranco de outras viagens.

Nenhum comentário: