quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Prazer, Cleóbulo


Escola Cleóbulo Amzonas Duarte, em Santos. Foto: G1/Santos
 Marcus Vinicius Batista

Caros estudantes,

Escrevo para agradecer a vocês. A espiritualidade me ensinou desde que parti, em 1979, a dispensar ou relevar certas vaidades. Uma delas é virar nome de escola. Na prática, isso de nada vale no andar de cima. Mas reconheço o esforço de algumas pessoas que buscaram me homenagear pelo (bom) professor que fui. Perdão pelo adjetivo, algumas vaidades ficam.

Não acreditem no festival de bobagens que se fala por causa da ocupação. Semântica é uma delas. É ocupação sim. Como vivi da palavra, sendo jornalista e professor, sei o quanto vale, o quanto pesa. Ocupação e invasão são situações bem diferentes, como muitos jornalistas, políticos e burocratas teimam em emburrecer. Lamento que juízes e desembargadores - não tenham medo! Sabemos mais do que imaginam aqui em cima - não se entendam. Reintegração de posse para uns, manifestação para outros. Retórica que afeta vocês, principais interessados numa escola melhor.

A ação de vocês é política, claro. Nada mais redundante do que as bravatas do Governo. Ocupar uma escola para evitar que outras sejam fechadas é uma atitude cidadã, de quem conhece as mazelas. E olha que a que leva meu nome não é das piores. Sorte minha!

Política se combate com política. Ainda mais quando a política é mal explicada. A tal da reorganização de ensino veio de cima para baixo (não saiu daqui não!!!), como quase tudo na educação, sem consultas, sem debates, sem explicações aprofundadas sobre causas, critérios e consequências. Agora, o Governo pede conversa. Nunca quis. Em alguns endereços, mandou a Polícia, para a qual palavra diálogo aparece quase no final da cartilha. Ou na ponta do spray de pimenta.

Confesso que, observando à distância, do alto, estou feliz por ver a escola melhor. Finalmente, a escola voltou a respirar Cultura. Melhor do que o fracassado projeto Escola da Família, que teve mais de um nome "engana-bobos" em duas décadas. Soube de colegas que também viraram nomes de escolas, envergonhados porque suas biografias estavam associadas à professores que viraram cozinheiros, bolas de meia para prática de futebol, doações obrigatórias de lápis, papel e canetas para que as aulas acontecessem.

Convenhamos, a escola é muito chata. O autoritarismo cercado por muros, professores no piloto automático por uma série de motivos. Do vale-coxinha - apelido coerente - aos salários de fome, que não pode contida pelas coxinhas que se compra com o vale. Desculpem-me! Na espiritualidade, também não se perdem as piadas, mesmo as ruins.

Cuidem da escola! Cuidem, de certa forma, do meu legado como professor de História. Retoquem a história da educação. Mas não permitam somente maquiagem. Mostrem que a escola pode ser mais do que paredes descascadas, bebedouros quebrados, fios à mostra, uma lista de problemas que se encostam na vida após a morte de muitos colegas. Que o diga a Dona Escolástica, por exemplo.

Tenho muito orgulho de vocês, estudantes! Um abraço,

Cleóbulo Amazonas Duarte

Nenhum comentário: