terça-feira, 22 de abril de 2014

Os argumentos para viver


Caro leitor, este é o 17º texto da série de crônicas escritas por minha mãe, falecida em 23 de julho de 2013. Restam somente dois textos: um dela e outro sobre ela, escrita por uma amiga de longa data. 

Zuleica Maria de O.A.Batista

Eu, abaixo assinado, venho por meio deste, requerer permissão para viver alegremente por mais algum tempo.

Prometo recomeçar, como se fosse meu primeiro dia de vida e não fazer cobranças.

Prometo ter sempre em meus lábios palavras de amor para todos os que vivem ao meu lado.

Prometo ser sempre a alegria de minha casa, com o coração grande e nunca cansada, embora, às vezes, tenha ímpetos de chorar.

Prometo limpar, arrumar a casa, preparar as refeições, lavar e passar.

Prometo guardar minha língua a toda maldade.

Prometo cerrar meus ouvidos a toda calúnia.

Prometo reciclar o lixo, não usar sacolinhas de plástico e contribuir para a sustentabilidade do planeta.

Prometo me filiar ao PV (Partido Verde).

Prometo não cair na folia no Carnaval enquanto eu viver.

Prometo não passar da conta na bebida.

Prometo me tornar torcedora do Corinthians.

Prometo no réveillon pular sete ondas, conversar com Iemanjá, acender uma vela ao anjo da guarda e comer lentilhas antes da ceia.

Aí estão meus argumentos.

Espero que se revertam em mais alguns anos de sobrevida.

Nestes termos, peço deferimento.

Atenciosamente,

Zuleica. 19/05/11

Nenhum comentário: