quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Bonitas e gostosas

Por Luciana Sampaio e Rochelly Diniz*

O que leva a mulher a andar a poucos milímetros de chão? Percebe-se a ousadia de inúmeras moças em escala mundial, das mais velhas às cada vez mais novas, das patricinhas às “piriguetes”. Desfilam em sua maioria com modelos, cores e, principalmente, marcas diferentes.

As sandalinhas infantis da Barbie já vêm com saltinho. Modesto, vamos admitir, mas ainda assim presente. Teria necessidade uma menina que mal aprendeu a andar ter que de equilibrar sobre um minicubano rosa de plástico? Além da enorme variedade de marcas, sendo os carros-chefe as francesas e italianas Louis Vuitton, Prada, Dior, Gucci, Christian Louboutin e seus solados vermelhos, a altura está cada vez maior. Já se pode comparar às bailarinas nas pontas de suas sapatilhas, só que com Luis ou Stiletto 12, 15.

Este texto retrata uma crítica à indústria? Ou critica as grandes marcas? Estas que influenciam a grande massa ao consumo exacerbado a cada mudança de estação? Ou talvez um julgamento maior à moda mundial que dita coleções, tendências e as cores da tabela Pantone Inc. as quais só as “madames” de classe AA+ acompanham direta e rigorosamente as vitrines da Oscar Freire?

Não! Só queremos falar mesmo sobre essa obsessão feminina que acompanha a história desde o antigo Egito. O poder transpassa à mulher, mexendo com a nossa vaidade, nos deixando mais sexies ou assim os homens nos fazem acreditar. Revira também a cabeça destes seres de Marte, já que sexo está ligado ao salto alto e acompanhado de uma cinta liga nas mais íntimas fantasias.

Claro, relacionamos à complexidade da mente feminina à nossa própria altura. Se somos baixas, queremos ter uns centímetros a mais que podem facilmente ser resolvidos com um par de Anabelas. Se somos altas, por que não um pouco mais de “poder”?

No fim das contas, o que o queremos mesmo é estar nas alturas e dizer: “Eu sei que eu sou bonita e gostosa, e sei que você me olha e me quer...”

* Texto produzido na Oficina de Crônica, na disciplina Leitura e Produção de Textos, do curso de Produção Multimídia (UNISANTA)

Nenhum comentário: