sexta-feira, 5 de agosto de 2011

O mundo ao redor de Jolie


Por Vinicius Maurício*

Flashes e luzes, muitas luzes, mas pouco brilho. Assim é o mundo de algumas das chamadas estrelas do cinema, que se consagram por atuarem em filmes e agradarem aos espectadores e fãs. Elas fazem sucesso no mundo todo por seu trabalho nas telas e, normalmente, colocam seu nome na calçada da fama de Hollywood. Mas existem estrelas que reluzem além do espaço delimitado pela fama, elas também conquistam e brilham na vida real.

Angelina Jolie, por exemplo, fez, recentemente, no Camboja, na Ásia, fotos para uma famosa marca de bolsas. Embora desfrute do mundo dos famosos, a atriz sempre esteve envolvida com as questões sociais e políticas do planeta, como a fome e os conflitos, mostrando que ser uma estrela pode ir muito além de iluminar a grande tela com seu profissionalismo e beleza, fazer os olhos dos fãs brilharem e estampar outdoors publicitários.

Fisicamente, estrela é um corpo com luz própria que orbita no espaço sideral e, normalmente, outros corpos giram ao seu redor, como a Terra que se movimenta em torno do Sol, em sua rota de Translação, a qual nos dá os 365 dias do ano.

Já o Sol é uma estrela brilhante que ilumina, proporciona e mantém a vida em nosso planeta, com o fenômeno natural do efeito estufa, que aquece a Terra. E não precisamos nos preocupar que ele deixe de fazer isso tão cedo, pois o Sol é uma estrela novíssima. E não precisa ser físico para entender que ele é apenas uma estrela-bebê; afinal, ele é amarelo e tem, acredita-se, perto de 4,6 bilhões de anos.

A idade das estrelas é definida pela sua cor. Quanto mais próximas do amarelo são, menos anos possuem. Conforme se aproximam das tonalidades de azul, mais anos conquistam. Como o tempo calculado para que a luz de estrelas longínquas chegue à Terra é diferente das nossas 24 horas - é um ano-luz, pode ocorrer de uma estrela que sempre admiramos no céu tenha deixado de existir há milhares de anos. A luz emitida quando da sua morte pode não ter alcançado nosso campo de visão nua.


As estrelas também são fonte de prazer para amantes da Astronomia, pois  proporcionam momentos de diversão e lazer. A mãe ensinando o filho como se localizar por intermédio do Cruzeiro do Sul marca bons momentos que ficam na memória da criança. Assim, a atenção materna transfere ao filho conhecimentos históricos, originários de culturas antigas. O que dizer do casal de namorados que resolve contar o máximo de estrelas que puder, numa noite! As estrelas também são objeto de estudo da vida em nosso planeta, na Via Láctea e em outros Universos.

Dada a importância das estrelas do espaço, para receber o título de estrela de cinema, brilhar e ser importante como o Sol, não basta atuar, ser um bom profissional, encantar, conseguir flashes e luzes voltadas para si. Nem somente que o trabalho desenvolvido no cinema perdure tanto tempo quanto o ano-luz.


Bem verdade, as melhores e mais brilhantes estrelas reluzem fora das telonas também, como Angelina Jolie, que, mesmo sendo modelo fotográfico de marcas famosas, se mostra preocupada com alguns dos piores problemas enfrentados pela espécie humana, na Terra. O Camboja mesmo, onde ela esteve, é referência quando na luta contra a fome na Ásia, mesmo que ainda tenha perto de 33% da população subnutrida.

Só no sul da Ásia, segundo dados do Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), entre 2006 e 2008, mais de 100 milhões de pessoas entraram para o grupo dos que têm fome crônica, ou seja, que não consomem o mínimo de calorias diárias que o organismo precisa para sobreviver.

E a maioria dos que passam fome no sul-asiático são crianças, já que 54% das 615 milhões que vivem na região integram o grupo dos famintos crônicos. Isso sem contar os conflitos políticos e os problemas com tuberculose e Aids que assombram os cambojanos.

E Jolie foi premiada pela Organização das Nações Unidas, a ONU, por seus trabalhos humanitários em diversos países do mundo, como o próprio Camboja, também em Sarajevo, na Líbia, Etiópia, Vietnã, Tunísia e na Namíbia, lugar que escolheu para dar à luz à Shiloh, primeiro filho biológico dela com seu atual marido, Brad Pitt.

A estrela do cinema, tão importante como as estrelas do espaço sideral por sua atuação humanitária, também adotou uma criança cambojana, a qual deu o nome de Maddox Chivan. Não por coincidência, ela escolheu o nome - Maddox, que em celta, significa benéfico e Chivan, vida. Justificando seu trabalho pelo bem da vida na Terra.


Talvez, pensando bem, faltem estrelas como ela, brilhantes e que ajudam a propagar a vida no planeta. E, afinal, quem são as estrelas de cinema que andamos admirando? Jolie, além de linda e livre de padrões pré-estabelecidos (é bissexual assumida, por exemplo), é ótima atriz, tendo atuado em filmes como Lara Croft, a heroína dos jogos de vídeo-game, Alexandre, O Colecionador de Ossos, Salt, e Garota, Interrompida, filme com o qual ganhou o Oscar como melhor atriz coadjuvante, em 2000.

Angelina, assim como o Sol, dentro do limite espacial que sua pessoa lhe permite, faz o que pode pela vida do próximo (próximo, não é assim que chamam os cristãos?) e é um astro de se admirar e aplaudir, por ser estrela no cinema e que reluz na vida real. Em tempo, nessa campanha que fez para a famosa marca de bolsas, por exemplo, ela representa, segundo o estilista, os valores fundamentais. E ainda, a estrela destinou parte do cachê de milhões de dólares para caridade.

* Vinicius Maurício é jornalista. 

Nenhum comentário: